Inveja

Inveja: ato de querer aquilo que outros têm. Opa, quem nunca?!
Êta coisinha ruim de sentir e pior ainda quando sentem da gente...

Pergunta que não quer calar de um paciente no meio de mil outras questões: "E agora, Angélica, como é que eu faço para parar de sentir essa inveja?" 

Sabe quando você não tem uma resposta na lata para dar, mas você precisa dá-la? Então, aí foram uns 5 segundos calada olhando nos olhos dele sem responder absolutamente nada (e 5 segundos de silêncio, olho no olho, sem dar resposta, é o que vale a quase uma eternidade para um terapeuta cognitivo-comportamental). 
Não vinha na minha cabeça uma única resposta clara. Não vinha uma resposta objetiva. Não surgiam exemplos de técnicas mirabolantes. 

E, neste caso, eu sabia que dar aquela volta e falar de auto-estima, redirecionamento, aceitação, blá, blá, blá, não era a resposta que eu estava procurando e nem a resposta que eu achava que meu paciente precisava ouvir.
Falei que aquela era uma pergunta muito difícil para mim, mas que eu ia pensar e semana que vem voltaríamos a falar no assunto.



Acho que esta foi a primeira vez na minha vida que parei para pensar seriamente sobre inveja. 

Nunca fui, nem convivi com muitos invejosos ao meu redor. Fui criada numa família onde meus pais sempre incentivaram eu e minhas irmãs a compartilhar nossas coisas e mais do que isso, a não nos apegarmos tanto aos bens materiais: "alguém, por acaso, vai morrer se não tiver isso?!". Simples assim eu ia internalizando que eu não precisava de certas coisas que outros pareciam tanto precisar.  

Para reforçar, estudei a vida inteira num colégio católico, onde aprendi a rezar o Pai Nosso antes mesmo de saber ler e escrever bem. Então já viram né? Inveja é pecado capital. Super mal visto e totalmente desincentivado num colégio de classe média e de ricos na Barra da Tijuca. 

Mas independente de qualquer coisa e por mais legal que você se empenhe em ser, a inveja vai rolar em algum momento.

E é impressionante como ela suga nossas forças, nos rebaixa a um nível que não curtimos nem um pouco e... temos que admitir, a inveja é a revelação clara e suja de que não alcançamos algo.

Bom, eu entendo muito o sentimento de inveja como algo ligado a sensação de injustiça. "Não é justo fulano conseguir, se eu não consegui". Mas, a vida não tem compromisso em ser justa ou injusta, é apenas vida, acontecimentos sequenciais. Nós é que esperamos que a (nossa) justiça seja feita. Pensando assim, até fica mais fácil diminuir essa inveja a quase raramente sentida.

Mas por outro lado, infelizmente, já esbarrei na vida com aqueles invejosos brabos, daqueles ruins mesmo, que puxam o tapete e botam a gente para baixo! 

Esses aí, eu acho que levariam anos em terapia para mudar alguma coisa, caso quisessem... Nem consigo entender tão claramente o que se passa na cabeça dessas pessoas. 

Mas é fato que existem várias motivações para sentirmos inveja...umas mais e outras menos nobres.

Mas e aí, o tempo (no caso aqui, o espaço) está acabando e nada de responder ao paciente!!

Uma semana para pensar...será que é suficiente?


Foto by @senso no Instagram


Postagens mais visitadas deste blog

Essa tal felicidade...

O que você faz quando ninguém está olhando?