Hoje eu acordei assim...


 Por Carla Giglio


Imagino que nesse momento você já compreendeu dois importantes pontos da TCC falados aqui no blog: Modelo Cognitivo e Psicoeducação. E vou bater nessa tecla de compreensão desses dois pontos, pois eles são fundamentais pro processo terapêutico, e isso porque a Terapia Cognitivo-Comportamental é uma abordagem estruturada, diretiva, ativa com propósito de focar no problema.

E que tipo de problemas?? Ahh, tem dos mais variados! Tristeza, ansiedade, mau humor, medos, irritabilidade, manias, timidez e por aí vai...





A verdade é que quando nos damos conta, já aconteceu, não é mesmo? Vejo muito isso no consultório, se o problema não for declarado, não afetar de imediato, não for de cara limitador, dificilmente a pessoa vai recorrer à ajuda, e aí quando for procurar é porque já está há um tempinho em sofrimento.

Eu sei, é difícil mesmo admitir nossas dores, nossos medos, nossas angústias, afinal, elas já estão ali há tanto tempo, não é mesmo!? Fica mais confortável não mudar de lugar, não fazer diferente, no entanto permanecer no mesmo modo de ser, faz com que a gente acumule sofrimento, um pouquinho a cada dia. E aí, a responsabilidade é sua, pois esse movimento de fazer diferente vai partir da sua escolha, sua decisão.

Uma boa maneira de avaliar se tem algo que não está legal, seria pensar em termos de limitação, ou seja, se esse problema tem te impedido de fazer coisas na sua vida, pois você pode se sentir desanimado e sem energia para realizar coisas ou você pode ficar pensando em inúmeras alternativas antes de tomar uma decisão e ainda sim, não sentir-se seguro pra tomar essa decisão, você também pode ter dificuldades de se relacionar com outras pessoas por vergonha e preocupações sobre o que os outros podem achar de você e por isso evitar lugares e situações.

Confrontar esses problemas é confrontar seus pensamentos mais interiores (os TCC’s chamam de crenças centrais), e fazendo uma analogia, seria como abrir um baú que está há um certo tempo fechado e onde tudo já está bem acomodado, não necessariamente da melhor maneira, mas de modo que você já se acostumou. Daí, avaliar o que entra, o que deve ficar e o que deve sair, dá um medinho né?

“Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício interior.” (Clarice Lispector)


E hoje, você acordou se sentindo como??










Postagens mais visitadas deste blog

Essa tal felicidade...

O que você faz quando ninguém está olhando?