O que eu sinto ou o que eu penso?! [O segredo passo 2 ;)]

Por Angelica Prazeres
www.angelicaprazeres.com.br

"Agora apenas passe os próximos dias prestando atenção no que acontece na sua cabeça quando está em situações que está sentindo uma emoção boa, gostosa, confortável e depois me conta ;)"

*Leia o post acima aqui!

Você conseguiria transformar em palavras e contar o que passa na sua cabeça? 

Não estou falando de contar sua história, defender sua ideologia de vida ou dizer o que ou como você se sente. Coisas importantíssimas por sinal, mas não é bem isso que estou falando...

Eu quero dizer, você saberia verbalizar EXATAMENTE (ou quase exatamente ;)) o que você passou na sua cabeça? 






Para tal, a gente precisa primeiro prestar atenção nesses pensamentos. Pois eles são tão rápidos, tão próprios, tão autorais, tão cheios de si que não é comum darmos algum tipo de atenção a eles em si. 

Damos sim bastante atenção as consequências dos nossos pensamentos, ao famoso sentimento! Ah, esse sim eu sei bem do que se trata. Este sim "me representa"!



Engraçado que a gente bate cabeça tentando mudar certas coisas que a gente não gostaria de sentir, mas não tem jeito, a gente sente mesmo assim. 
A gente até sabe "conscientemente" (ou "socialmente") que não está sendo legal prá gente sentir aquilo, mas simplesmente não conseguimos deixar de sentir. 
Parece que domina, sabe? Acho que é porque vem do coração e se vem do coração, já era, é verdadeiro, é para ser, não dá para escapar. 




Será mesmo?!!

Primeiro de tudo, se você quer mudar alguma coisa em você, posso dizer com clareza que isso necessariamente terá que passar pelo seu pensamento. Para você sentir diferente, necessariamente o seu pensamento terá que ser fisgado, de uma outra forma.

Sabe então aquela história da vida estar ruim, você precisa fazer algo para mudar, você foca em melhorar tudo o que dá para mudar a sua volta (o que é ótimo e importante!), ganha mais amigos, mais amor, mais dinheiro e ainda sim, sei lá, não se sente "realizada/o", "de fato feliz", "satisfeita/o"? 

Então...faltou o pensamento acompanhar também toda essa mudança. O sentimento acompanha. Esse está em todas! Companheiro de todas as horas, boas e ruins. Esse tal de sentimento é um fanfarrão

O pensamento não. Esse você tá crente que tá contigo, mas no fundo ele não quer se fazer de "o do contra" quando a coisa parece estar tão boa. Na hora do "vamo vê" se percebe que ninguém tá nem aí para ele, sai de fininho, sem ninguém nem notar. Mas é aquele que está sempre pronto para dizer: "eu tentei te avisar, mas você preferiu me ignorar..."


Ou seja, para falar positivamente com você mesma/o e isso ter um efeito benéfico, você antes precisa tratar que seus pensamentos (esses aí automáticos, que passam na sua cabeça e você nem se dá muita conta) sejam produtivos (eu disse PRODUTIVOS e não positivos!). Você precisa ativamente torná-los produtivos. 




Agora que você já conseguiu prestar alguma atenção em como são os seus pensamentos quando ligados a sentimentos bons [primeiro post aqui], você pode tentar entender se há alguma conexão com a sua auto-estima. 

Algo do tipo: "me senti bem naquela sexta, mais animada para trabalhar e lembro que no trânsito indo para o trabalho eu pensei: "dane-se esse trânsito, hoje é sexta, ninguém tira meu bom humor". 

    Clique aqui para saber mais. 


Não é através de um único pensamento, num determinado dia, que você conseguirá perceber qual a relação que você faz entre o que você pensa e o que você sente (e tudo mais que tem por trás disso). Leva tempo e exige dedicação dominar a arte de pensar ;). Mas você não precisa necessariamente fazer terapia ou uma faculdade para aprendê-la, basta experimentar, treinar, dedicar-se à tentativa e erro (e aprendizado) e você chega lá.

É isso que eu ensino aos meus pacientes logo que eles me deixam falar ;) Desmistifico esse história de "não consigo controlar o que ando sentindo". Grande parte do controle é passível de ser aprendido ao longo da vida, apenas dedique-se a aprendê-lo, engaje-se nisso, observe, copie dos que já conseguem fazê-lo, refine a sua maneira, erre, tente de novo, reflita, tente diferente, acerte, adapte e neste caminho tente manter a sua motivação, pois esse exercício te acompanhará para toda a vida. 

Isso muda a nossa percepção não só sobre como as coisas acontecem internamente conosco, mas com todo mundo (afinal, o processo é o mesmo para todos, conscientes ou não disso). 

Ao entender e conseguindo identificar esta relação entre PENSAMENTOS -> SENTIMENTOS, você começa a clarificar o porque de certas pessoas agirem de tal forma com você. Entende que mensagem você, de fato, está passando e de que forma está recebendo a mensagem que outros estão passando para você. 




E se você quer manter relações saudáveis, é muito bom você ser bastante responsável pelo que você transmite ao outro ;) 

Quer ser amado/a, respeitado/a, admirado/o, aceito/a? Então se entenda e se faça entender... começando pelos seus próprios pensamentos. 

Em breve mais posts sobre como conhecer mais sobre seus pensamentos. Até! 

Postagens mais visitadas deste blog

Essa tal felicidade...

Passivo, Assertivo ou Agressivo?